“Quando o milagre acontece (dentro de nós)…”

May 11, 2013

 

- O meu pai estava no hospital e eu andava de volta dele como se fosse uma enfermeira. Foram tempos muito difíceis também para mim, porque me custava imenso ver o meu pai naquelas condições. Por um lado eu queria que o meu pai estivesse num lugar melhor, numa clínica com condições, mas por outro lado eu queria que o meu pai fosse acompanhado pelos médicos que sempre o seguiram. E eu andava nesta tortura, quero que ele saia porque o hospital não tem todas as condições que eu desejaria que tivesse, quero que ele fique por causa dos médicos – a minha cabeça vivia nesta tortura! Para o fim eu estava exausta! Até que um dia entrei na capela do hospital e dei por mim ajoelhada e, de repente, virei-me para Deus e disse-lhe: Seja o que tu quiseres! – entreguei tudo! – se o meu pai tem que passar por tudo isto aqui, se é essa a tua vontade, então assim seja! Seja o que tu quiseres. E sabe o que mais?

- Sim?

- Logo que fiz isso veio uma paz enorme. Algo que nem eu sei explicar… Uma paz imensa…

- Eu compreendo. Ficou resolvido o conflito que trazia dentro de si.

- O conflito?

- Sim, entre o que você desejava para o seu pai e o que o seu pai tinha na realidade… Havia um conflito permanente aqui…

- Sim, havia.

- E este conflito era uma forma de estar permanentemente a dizer “não” à realidade.

- Sim.

- E quando se ajoelhou e falou com Deus isso mudou.

- Aí eu entreguei os pontos. Aceitei tudo o que estava a acontecer. Tudo, sem excepção.

- Aí você parou de resistir. Aí decidiu dizer que “sim”, e a resistência à realidade cessou – o conflito ficou resolvido, como que por magia.

- Eu falei para Deus.

- O que quer que tenha feito, o milagre que aconteceu dentro de si chama-se “aceitação”.

Este diálogo com uma paciente minha fez-me recordar o poder inacreditável da aceitação e da experiência quase inenarrável de paz que dela advém.

Fez-me pensar o quanta energia gastamos em pura e simplesmente negar a realidade, e no sofrimento a que nos submetemos desnecessariamente pela nossa incapacidade de nos sintonizarmos, duma forma plena e inteira, com o que nos é oferecido viver.

Vemos esta negação da realidade acontecer todos os dias dentro de nós e à nossa frente, desde alguém que se exaspera com um engarrafamento de trânsito (como que a dizer ao Universo: – Isto não é justo!) à nossa irritação porque o dia de praia veio sem sol e sem calor (como se o Universo tivesse conspirado para arruinar o nosso fim de semana).

Quando tudo o que temos a fazer é parar de negar a realidade, parar de negar o que nos é oferecido viver.

Quando aceitamos profundamente o que acontece aqui e agora, deixamos de desejar que o que está a acontecer seja diferente (como se realmente pudesse sê-lo!).

A aceitação, mais que uma mudança de ponto de vista, é o abdicar de pontos de vista para aceitar o que quer que seja que se esteja a vivenciar.

Mais do que “cair na real”, é aceitar a realidade como se esta fosse a única e melhor forma de tudo acontecer.

É parar de resistir.

“-What we resist, persists.”

Diremos mais: “-What we accept, transforms.”

 

Please reload

Artigos Publicados

Histórias de (in)verosimilhança: O maior cego é mesmo aquele que não quer ver?

November 19, 2015

1/10
Please reload

Artigos Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Estes artigos foram originalmente publicados
no blog PSITALK
do qual
sou fundador, organizador
e autor.
Pode também, lê-los em
PSITALK
 
Siga-me
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

         Contactos

Telefones:  214-580-469

                          

Email :  joaoparente.psi@gmail.com



 

  Nas redes sociais
  • Facebook App Icon
  • LinkedIn App Icon
  • Twitter App Icon
  • Google+ App Icon

Dr. João Parente - Psiquiatria e Psicoterapia - Cascais - Carcavelos - Lisboa